Search
sexta-feira 12 abril 2024
  • :
  • :

Relatório final aponta que sistema de votação é “integro” e “seguro”

Documento sobre os equipamentos, que serão usados no pleito deste ano, foi entregue ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral

Documento sobre os equipamentos, que serão usados no pleito deste ano, foi entregue ao TSE

Documento sobre os equipamentos, que serão usados no pleito deste ano, foi entregue ao TSE 

O ministro Edson Fachin, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), recebeu nesta segunda-feira (30), o relatório final dos testes públicos de segurança de 2021, referentes ao sistema eletrônico de votação. Durante ataques realizados por equipes especializadas, foram encontrados “achados”, ou seja, vulnerabilidades, mas que não colocam o sistema em risco.

Os testes públicos de segurança ocorrem sempre antes de cada eleição e começam no ano anterior ao pleito. As equipes que realizam ataques são formadas por especialistas, professores de universidades federais, hackers da Polícia Federal e outras entidades.

Quando uma vulnerabilidade é encontrada, o TSE é informado e elabora modos de resolver o problema. Em seguida, as mesmas equipes tentam refazer o ataque, para saber se o problema foi corrigido.

“O evento do TPS 2021 apresentou uma equipe técnica capacitada para dar apoio aos investigadores, abrangendo a vasta área de conhecimento técnico e de procedimentos eleitorais. Esse ambiente proporciona respostas em tempo adequado para que os investigadores pudessem dominar, a cada dia do evento, as características inerentes dos processos e sistemas eleitorais, adequando os seus planos e avançando nos trabalhos”, diz um trecho do relatório.

Fachin afirmou que os testes fazem parte do presente e do futuro da Justiça Eleitoral. “É uma contribuição feita à sociedade brasileira, que desenvolve um plano de melhorias. E as contribuições do TPS fazem parte do presente e do futuro da Justiça Eleitoral”, destacou.

O representante do Comando da Aeronáutica na comissão, Osvaldo Catsumi, afirmou que a atuação dos investigadores permite aprimoramento do sistema eletrônico.

“O nosso trabalho foi complementar as ações feitas pelos investigadores.

É o trabalho deles que possibilita visões externas e que ajudam a melhorar o sistema.

Nós apenas buscamos avaliar e apontar um melhor entendimento do que é possível fazer para tornar o processo ainda mais seguro”, disse.

Correio do Povo




error: Content is protected !!