Search
sexta-feira 19 Janeiro 2018
  • :
  • :

MP: Jardel pedia drogas usando termos como “picanha” e “cerveja”

Ação devassa trabalho de deputado que, segundo investigações, desviava verbas da Assembleia           MP flagra suspeito de entregar drogas para JardelFoto: Reprodução /Agência RBS



Uma das suspeitas investigadas naOperação Gol Contra é de financiamento ao tráfico de drogas com dinheiro público. O Ministério Público (MP) apurou que o marido de uma funcionária-fantasma fornecia drogas ao deputado Mário Jardel (PSD). Há diálogos revelando a encomenda de drogas por parte do parlamentar e filmagens do suspeito indo ao prédio de Jardel fazer entregas, conforme combinações captadas em telefonemas. O MP suspeita de que o salário da fantasma servisse para quitar o pagamento pelas drogas.
O MP destacou na investigação: “O que chama a atenção, no contexto, não é o eventual uso de droga pelo parlamentar, mas a evidente possibilidade, diante do que foi apurado, de que ele esteja financiando o tráfico de drogas com o desvio de verbas públicas de seu gabinete”.
A funcionária-fantasma identificada na investigação tem salário de R$ 3,8 mil. Para o MP, o fato de justamente ela ter sido contratada, já que é mulher do homem que fornece drogas a Jardel, indica que o intuito possa ser de o salário reverter para o marido dela, financiando o fornecimento de drogas.
Em 1º de novembro, o MP flagrou uma ligação em que Jardel diz ao suspeito:
“Tem como tu ligar pro teu amigo lá para pegar um…um cigarro pra mim?”
Segundo o MP, os pedidos eram feitos em código. Há diálogos em que Jardel fala em “picanha”. Em 7 de novembro, Jardel ligou para o suspeito para informar que estava descendo para a sauna e que gostaria de “uma carteira de cigarros e duas cervejas, entendeu?”.
Poucas horas depois, já no dia seguinte, o deputado faz nova solicitação. O MP avaliou que o pedido foi mais explícito, deixando clara a ilicitude do que estava sendo encomendado. Jardel pediu que a entrega fosse feita “num cantinho da garagem” e que o interlocutor evitasse de o porteiro interfonar para seu apartamento.
O que foi registrado na investigação: “Além de novamente solicitar as duas cervejas e um cigarro de praxe, fez uma importante observação, não deixando qualquer dúvida quanto a ilicitude dos produtos fornecidos:
Não tem como tu chegar no cantinho da garagem lá embaixo, é furado ali — teria dito o deputado.
A entrega do produto foi feita no local indicado por Jardel e gravada pelo MP.
Zero Hora



error: Content is protected !!