Search
domingo 18 Fevereiro 2018
  • :
  • :

Motoristas gaúchos poderão ter problemas para encontrar extintores ABC

Devido à alta procura, Sindicato estima que estoque do equipamento só será normalizado em fevereiro

Composto por carga de pó químico, combate incêndio em sólidos combustíveis, líquidos inflamáveis e equipamentos eletrônicos | Foto: Samuel Maciel

Composto por carga de pó químico, combate incêndio em sólidos combustíveis, líquidos inflamáveis e equipamentos eletrônicos | Foto: Samuel Maciel
A procura maciça pelos novos extintores de incêndio ABC para carros resultou em falta de estoque nas lojas do Rio Grande do Sul. A partir do dia 1°, o motorista que for flagrado com o utensílio BC corre risco de ser multado por agentes da EPTC ou da Brigada Militar. A mudança na legislação vale para todo o Brasil. O Sindicato do Comércio Varejista de Veículos e de Peças e Acessórios no Rio Grande do Sul (Sincopeças-RS) estima que a falta do produto seja suprida até fevereiro. Para o vice-presidente da entidade, Marco Antônio Vieira Machado, os fornecedores já intensificaram a produção do extintor ABC para atender a demanda.

Já o gerente de fiscalização de trânsito da EPTC, Paulo Gumercindo, garante que os agentes vão intensificar ações para diminuir acidentes provocados pelo excesso de velocidade ou de bebida ao volante, descartando assim, uma operação especifica para monitorar os novos extintores.
O Conselho Estadual de Trânsito (Cetran-RS) adverte os motoristas para a necessidade de troca de extintores de incêndio com carga BC para os de modelo ABC, até a próxima quarta-feira, a fim de evitar infrações de trânsito.
A partir de quinta, 1° de janeiro, os automóveis que estiverem trafegando com o extintor BC ficarão sujeitos a multa grave de R$ 127,69, somada à perda de cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação.
No Rio Grande do Sul, a maioria dos seis milhões de automóveis ainda não dispõe do equipamento de segurança. Os carros fabricados a partir de 2010 já tinham de contar com o equipamento. O Cetran informou, porém, que alguns automóveis de 2013 ainda foram vendidos com o extintor antigo.
Conforme o Cetran, os novos extintores são capazes de apagar incêndios em equipamentos sólidos como estofados e pneus. O valor do novo equipamento varia de R$ 60 a R$ 80. A lei entrou em vigor em 2004, mas a validade foi prorrogada para 2009 e, mais uma vez, estendida, até 2015, em função da demora dos motoristas em se readequar.
Fonte Correio do Povo