Search
quarta-feira 21 Fevereiro 2018
  • :
  • :

Elvis Presley segue ‘vivo’ 40 anos após sua morte

Resultado de imagem para elvis

Ícone do pop vendeu mais de um bilhão de discos no mundo e morreu em 16 de agosto de 1977, aos 42 anos.

Elvis Presley, o rei do rock e lenda americana que transformou a cultura popular e vendeu mais de um bilhão de discos no mundo, é idealizado mais do que nunca no 40º aniversário de sua trágica morte.

Estima-se que mais de 50 mil pessoas comparecerão a Graceland, sua mansão em Memphis, Tennessee, para homenagear o rei do rock, que morreu em 16 de agosto de 1977, aos 42 anos.

Elvis é considerado o artista mais vendido de todos os tempos, e em 2016 a revista Forbes o classificou no quarto lugar na lista das celebridades falecidas com maior receita, com 27 milhões de dólares.

“É a única pessoa dos tempos modernos que é reconhecida imediatamente pelo primeiro nome no mundo todo”, disse o autor britânico Ted Harrison, que escreveu dois livros sobre Presley.

“Você diz ‘Elvis’ em Pequim, Nicarágua, Estônia ou Fiji e todo mundo sabe de quem você está falando, além de todos os idiomas e culturas”, disse.

Sua voz e estilo únicos combinaram R&B, blues, country, gospel e música negra, desafiando as barreiras sociais e raciais do seu tempo, e seu característico movimento de quadris ao dançar o fez merecedor do apelido “Elvis, a Pélvis”.

Transbordando estilo, carisma e sex appeal, Elvis se tornou a fantasia de milhões de mulheres e fonte de inspiração para todos os que chegaram depois, dos Beatles e Rolling Stones a Bruno Mars, que atualmente lidera os rankings.

Há 40 anos, o mundo da música perdia o rei do rock, Elvis Presley

Há 40 anos, o mundo da música perdia o rei do rock, Elvis Presley

“Ouvi-lo pela primeira vez foi como sair de uma prisão”, disse Bob Dylan.

No final dos anos 1960, o compositor e diretor Leonard Bernstein o qualificou de “a maior força cultural do século XX”.

Sucessos como “Heartbreak Hotel”, “Hound Dog”, “Jailhouse Rock” e “Are You Lonesome Tonight” são reconhecidos imediatamente. Sua música foi reeditada e relançada inúmeras vezes desde a sua morte.

Mais de 20 milhões de pessoas visitaram Graceland, seu lar durante duas décadas, desde que Priscilla, sua ex-esposa e mãe da sua única filha, Lisa-Marie, a abriu ao público em 1982.

Cerca de 600 mil visitantes vão ao local todos os anos, gerando cerca de 150 milhões de dólares adicionais à economia de Memphis. E não há sinais de declínio: em março foi inaugurado um novo complexo de entretenimento e um hotel em um prédio de 16 hectares, cujo investimento chegou a US$ 45 milhões.

Em Graceland, fãs prestam homenagens no aniversário de 40 anos de morte de Elvis Presley (Foto: AP Photo/Brandon Dill)

Em Graceland, fãs prestam homenagens no aniversário de 40 anos de morte de Elvis Presley (Foto: AP Photo/Brandon Dill)

Visitas à Graceland

Os fãs com frequência se emocionam até as lágrimas diante do seu túmulo em Graceland – onde está enterrado junto com seus pais, Gladys e Vernon, e sua avó Minnie-Mae -, que cobrem de flores e lembranças.

“Sua música transcende nossa geração porque não há nada como ‘Hound Dog'”, disse Stephanie Harris, 42, uma vendedora de seguros de Michigan.

No centro de Memphis, lar do blues, pode-se comprar quase tudo com figuras de Elvis, desde uma árvore de natal até malas. Nos bares, Elvis de papelão te recebem do lado de fora, e caixas de som ressoam sua música.

“Ele é o famoso entre os famosos”, disse Lisa Bseiso, de 36 anos, que fundou o Fã Clube oficial de Elvis Presley do Catar, onde nasceu e cresceu.

“Quarenta anos depois da sua morte, continua sendo tão amado quanto antes. Por isso é um fenômeno”, acrescenta Bseiso, em Memphis para o aniversário da morte do cantor.

Fãs prestam homenagens no aniversário de 40 anos de morte de Elvis Presley (Foto: AP Photo/Brandon Dill)

(Foto: AP Photo/Brandon Dill)

Música negra

Filho de um caminhoneiro e uma operária têxtil, Elvis nasceu em 8 de janeiro de 1935 e cresceu em uma casa de dois quartos em Tupelo, Mississippi.

Em 1948, se mudou para Memphis com seus pais e se formou no segundo grau. Gravou seu primeiro disco aos 19 anos e quase instantaneamente se transformou em uma estrela.

Os conservadores ficaram atentos à rebeldia de Elvis e à sua dança insinuante com movimentos de quadris e pernas. Ele cruzou a linha racial em um momento em que o fantasma da segregação ainda pairava sobre o sul dos Estados Unidos.

“Mais preocupante para muitos brancos foi a forma como ele se apropriou da música afro-americana e a apresentou como dominante”, afirma Harrison.

Depois, Elvis passou uma temporada de dois anos no exército americano durante a Guerra Fria, pelo qual foi enviado à Alemanha Ocidental e promovido a sargento. Após pendurar o uniforme, se tornou um artista de família e respeitável.

E assim como encarnou o “american dream” – um menino humilde que acabou comprando Cadillacs para estranhos na rua por capricho -, simbolizou também a decadência dos Estados Unidos.

No final da sua carreira, obeso e viciado em medicamentos, viveu totalmente recluso, à sombra do que tinha chegado a ser em outra época.

Fonte G1