Search
segunda-feira 24 fevereiro 2020
  • :
  • :

Cientistas descobrem formas de eliminar HIV totalmente das células

Duas pesquisas dos EUA conseguem reativar o vírus latente, potencialmente tornando-o vulnerável para ser eliminado pelo sistema imunológico

Foto: R7

Uma das características do vírus HIV é que ele consegue “fugir” do sistema imunológico, escondendo-se de forma inativa nas células infectadas (a chamada latência viral), o que é o maior obstáculo para a eliminação completa do agente. Dois estudos divugados nesta quarta-feira pela revista científica Nature trazem descobertas que podem mudar esse cenário.

Cientistas das universidades da Carolina do Norte e Emory descobriram formas de reativar o vírus latente, potencialmente tornando-o vulnerável para ser eliminado pelo sistema imunológico.

Atualmente, o tratamento para portadores de HIV se baseia na chamada terapia antirretroviral, que limita a infecção e deixa o vírus “escondido” nas células T CD4 +, não podendo ser detectado pelo sistema imunológico.

A teoria por trás das novas pesquisas se baseia no uso de medicamentos que invertem essa latência e podem aumentar a expressão do gene viral, tornando as células virais vulneráveis ​​à eliminação pelo sistema imunológico. Os testes foram feitos em camundongos e macacos que recebiam terapia antirretroviral.

No primeiro estudo, os pesquisadores usaram um medicamento chamado AZD5582, inicialmente criado para tratar o câncer e é capaz de ativar o vírus HIV latente.

No segundo estudo, usaram uma abordagem diferente, combinando duas intervenções: injetaram um anticorpo para limpar as células T CD8 +, importantes para controlar a infecção. Em seguida, aplicaram uma versão alterada da citocina IL-15 para mostrar que essa combinação pode fazer o RNA viral aparecer no sangue e nos tecidos onde anteriormente não havia sido detectado.

“Esta é uma conquista científica emocionante, e esperamos que seja um passo importante para um dia erradicar o vírus em pessoas vivendo com HIV”, disse Ann Chahroudi, uma das pesquisadoras da Universidade de Emory.

Ainda não se sabe se os resultados podem ser replicados em humanos, mas as pesquisas aparecem como um importante avanço no conhecimento sobre o HIV e as formas como o vírus pode ser manipulado.

Publicado por

Ricardo Pont

 

 




error: Content is protected !!